Botões

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Manifesto às Professoras e Professores do Ensino Privado

QUEM SOMOS NÓS?

Somos membros da atual Diretoria do Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio) e, como militantes, nós nos construímos durante o processo de lutas da nossa entidade nos últimos 30 anos.
Ao abrir este primeiro número do boletim Articulando Educadores ou ao visitar nosso blog (www.articulandoeducadores.blogspot.com), você verá rostos e pequenas biografias de gente que, como você, não desistiu de lutar. Pessoas que estão nas salas de aula, nos movimentos sociais, nas associações de classes, nos organismos estatais de educação, na CUT, na nossa Confederação (Contee), na Federação de Sinpros do Estado do Rio (Feteerj)... enfim: no mundo, transformando-o junto com outras pessoas reais. Estamos no Sinpro-Rio porque sabemos do valor estratégico que tem a educação na construção de um Brasil livre e soberano; porque entendemos que o sindicato é um espaço privilegiado de luta pela valorização da nossa profissão; e porque nós, signatários deste manifesto, construímos, ao longo dos últimos anos, junto com a categoria, um Sindicato Forte. No sentido original do termo, somos - e queremos ser sempre - utópicos, por acreditarmos que o lugar da felicidade que brota da justiça ainda não existe, mas existirá. E cabe a nós construí-lo!


POR QUE NOS DIRIGIMOS À CATEGORIA?

Porque o Sinpro-Rio enfrenta atualmente uma forte crise gerada pela incapacidade do atual presidente, o professor Wanderley Quêdo, em construir coletivamente, de forma democrática, as políticas do nosso Sindicato. Ao contrário, suas práticas têm se revelado antidemocráticas, centralizadoras, excludentes e antiéticas. Tal postura reúne em torno de si interesses privados de grupos de amigos que vislumbram a utilização da máquina sindical em favor dos seus interesses. Funcionários eficientes, construídos no espaço de lutas do Sinpro-Rio que, ao longo de muitos anos, vestiram a camisa do nosso Sindicato, foram sumariamente demitidos (na Informática, no Jurídico, na Secretaria, na Tesouraria, no Patrimônio e nas subsedes) sem nenhuma justificativa nem consideração, como procedem muitos patrões. Outros se demitiram diante do regime de intimidações e assédios implantado. Foram substituídos por empresas privadas de origens mal explicadas e que, até agora, não trouxeram melhora alguma aos serviços prestados pelo Sindicato. O atual presidente do Sinpro-Rio implanta um processo de choque capitalista, uma verdadeira privatização da máquina sindical. Os resultados começam a surgir na medida em crescem as reclamações de professoras e professores, principalmente em relação ao Departamento Jurídico. Diante desse quadro, o crescimento de sindicalizações verificado nas gestões anteriores deu lugar a um processo inverso: o índice de adesão ao nosso Sindicato vem diminuindo consideravelmente.
Professoras e professores, o nosso Sindicato Forte, que construímos ao longo dos últimos anos, está seriamente ameaçado!!!


POR QUE ESSA AFIRMAÇÃO?

Porque as práticas sindicais centralizadoras, antidemocráticas, personalistas e excludentes desenvolvidas pelo atual presidente e o ambiente criado nos espaços do Sindicato ferem, de forma inaceitável, os princípios que a categoria profissional construiu ao longo destes 30 anos. São eles:
Democracia - defendemos a oportunidade de voltar a discutir - com a categoria e na Diretoria - os pontos principais de nossa prática sindical: a pauta de reivindicações das diversas campanhas salariais, as estratégias de luta, a condução da administração de nossas finanças, a política de demissões e de contratações, o dia a dia e as grandes causas do Sindicato. Repudiamos as iniciativas falsamente democráticas apresentadas para a categoria, mas que não passam de meras encenações que escondem o jogo de cartas marcadas e garantem o controle político da entidade.
Transparência - não há transparência onde as decisões são tomadas por um restrito grupo, sem o devido debate com o restante da Diretoria e com a categoria. Queremos poder conhecer e dar a conhecer a estrutura de funcionamento das decisões que são tomadas e que afetam diretamente a vida de educadoras e educadores, evitando o personalismo e a formação de grupos de amigos do poder.
Equidade - propomos um Sindicato voltado, especialmente, à defesa dos interesses dos que mais precisam dele: as professoras e professores que recebem o atual e aviltante piso, as/os que têm seus direitos cotidianamente desrespeitados, as/os que trabalham sem o reconhecimento de sua condição profissional, sendo nomeadas/nomeados de “auxiliares”, “instrutoras/instrutores” ou “tutoras/tutores”, e aquelas/aqueles que hoje estão sem emprego.
Ética - devemos ter uma prática de respeito às normas que nascem da convivência, do respeito às pessoas que conosco se relacionam (e que de nós, em algum momento, precisam, como nós delas), do respeito à autoridade que brota do trabalho e da consciência de classe.
Luta em defesa dos direitos da categoria - não podemos perder a capacidade de discutir - internamente e com a categoria - a formulação de estratégias de luta permanente, não só na defesa dos direitos materializados nas Convenções Coletivas, acordos e na legislação trabalhista, como também na sua ampliação e conquista de novos direitos.


UM CHAMAMENTO À DEFESA DO SINPRO-RIO

As práticas antidemocráticas, excludentes, autoritárias e centralizadoras que hoje vigoram nos espaços do Sinpro-Rio levam a uma deterioração da qualidade dos serviços do Sindicato e à formulação equivocada de estratégias de luta. Campanhas são lançadas e poderiam vir a ser úteis à categoria e à sociedade caso não fossem formuladas de cima para baixo e executadas com o único objetivo: o da promoção pessoal. Os vitoriosos projetos construídos pelas diretorias anteriores estão ameaçados pela incompetência política!!!
O Sinpro-Rio possui um patrimônio político e material que foi construído, junto com a categoria, pelas diretorias anteriores e, portanto, o atual presidente não tem o direito de colocá-las em perigo com suas práticas autoritárias e sua incompetência política. Reafirmamos que defenderemos, sem tréguas, as conquistas obtidas nas gestões passadas ; ou seja: preservar o permanente ganho real nos reajustes salariais; manter e ampliar as conquistas sociais da categoria; manter e dinamizar as três subsedes (Campo Grande, Barra e Madureira); dinamizar a Escola do Professor com seus cursos, seminários e debates; manter a vitoriosa “Campanha da Voz”, propositalmente esvaziada nesta gestão; fortalecer a Comissão de Pensionistas e Aposentados (Copap), impedindo as tentativas de seu esvaziamento; conservar o Sindtour (que promove as atividades culturais e de lazer), evitando a sua desorganização; dinamizar o trabalho de base com as visitações às escolas e instituições de Ensino Superior; manter a participação na Bienal do Livro; discutir com a categoria a estratégia de luta pelas férias unificadas; lutar pela democratização interna da diretoria, sem a prática de censuras e exclusões.
Quando lançamos ideias, temos a convicção de que elas podem - e devem - gerar movimento. E é exatamente isto o que buscamos. Queremos chegar a você, que continua acreditando na possibilidade de mudança, mas não vê caminhos.
Queremos articular educadoras e educadores, pessoas reais do mundo real, que anseiam por novos rumos que retomem verdadeiras e legítimas tradições. Parafraseando Chico Buarque, “semeamos vento em nossa cidade, em nosso estado, em nosso país”, na Educação. E vamos para a rua, junto com você, professora e professor, beber a tempestade!

Assinam este manifesto os diretores do Sinpro-Rio: Adalgiza Burity, Afonso Maria Furtado, Cláudia Figueiredo Pereira, Elson Simões de Paiva, Francilio Paes Leme, Glorya Maria Alves Ramos, Hélcio Alvim Filho, Leila dos Santos de Azevedo, Maria da Glória Ibiapina, Marcos Alexandre de Souza Gomes, Oswaldo Luís Cordeiro Teles.

69 comentários:

  1. Parabéns companheiros: esse é o norte para reconstruir o SINPRO-RJ. Reconstrução imperativa que passa essencialmente por um Sindicato forte e democrático que, atuando na base, resgate nossa valorização profissional, fortalecendo assim a inserção indispensável dos professores na luta sindical. Que a luta desse campo se espalhe pela sociedade para que superemos, como construtores de relações políticas justas e fraternas, a excludência e o individualismo! Que bons ventos tragam a tempestade e que esses mesmos ventos traguem o autoritarismo.
    Sempre na luta, sempre pela esquerda!
    Professor Joaquim Ferreira.
    Filiado ao SINPRO-RJ

    ResponderExcluir
  2. francilio Paes Leme12 de dezembro de 2010 22:52

    Aqui começa a luta pelo retorno do Sinpro-Rio ao seu caminho histórico em defesa da democracia e dos interesses maiores da categoria de professoras e professores . Vamos à luta!

    ResponderExcluir
  3. Avelino Ferreira Pinto14 de dezembro de 2010 16:15

    Parabéns companheiros!
    Prof. Avelino

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde. Mas o que pode ser feito para retirar da presidência do Simpro uma pessoa que tem essas atitudes?

    ResponderExcluir
  5. Lutar sempre... desistir nunca! Educação de qualidade e respeito aos professores !!!!!

    ResponderExcluir
  6. ernesto maggiotto caxeiro21 de janeiro de 2011 18:15

    mas voces são da diretoria e estão fazendo oposição?

    ResponderExcluir
  7. Penso que já passou da hora em que a figura do professor é cobrado para ser um GIGANTE COGNITIVO em sala de aula e PARADOXALMENTE é tratado como um pigmeu fora dela, como se fosse um imbecil, estúpido ou pior, um fantoche nas mãos da politicalha.

    A presidente Dilma em seu discurso de posse referiu-se ao professor como o verdadeiro protagonista da história e Agente de Transformação. Chegou a hora de sairmos dos discursos e da teoria para ação, Sinpro-Rio neles.

    ResponderExcluir
  8. Embora não esteja atualmente atuando no Rio de Janeiro, acompanho atentamente o movimento da nossa categoria. Atualmente estou sindicalizado no SINPRO-JF.
    Penso que esta experiência de gestão, contrária aos interesses de toda a categoria, é uma boa oportunidade para refletir sobre a forma como as chapas são constituídas para as eleições.
    Só conhecemos a natureza das pessoas quando elas têm a oportunidade de se mostrar. E é difícil identificar, antes das eleições, o grau de comprometimento das chapas com interesses alheios à categoria, ainda mais agora que as empresas mercantis tomam de assalto a educação.
    Se não houver um mecanismo de impeachment legítimo no estatuto da entidade, então meus colegas podem amargar retrocessos nos pontos conquistados nos últimos anos. Mas essa diretoria vai chegar ao fim. Então que a próxima chapa e os companheiros tenham a lucidez para lidar com a eleição como algo importante para a categoria e busquem dar publicidade aos feitos, competências e tragetória dos postulantes aos cargos de representação no sindicato. E que a próxima chapa crie mecanismo institucional e legítimo para retirar grupos de gestão cujos interesses sejam diferentes do da categoria.
    Boa sorte a todos.

    ResponderExcluir
  9. João Evangelista Soares22 de janeiro de 2011 00:56

    A Democracia após conquistada, não pode permitir que volte a tentativa das aberrações causadas pela ditadura. Sindicato é a casa do trabalhador da categoria e, não a casa de um só ser, o Presidente. Qualquer um que chegue a este topo, deve governar para os seus representados e, não só para ele. Acorda Presidente.

    ResponderExcluir
  10. Sou professora aposentada, mas continuo mantendo o vínculo com o sindicato por SER PROFESSORA.Atuo somente na educação pública, atualmente. Gostaria de maiores esclarecimentos a respeito das críticas feitas pelo grupo. Não devemos parecer "crianças brigando pelo controle do play- station". O que diz a "parte acusada"? Se vcs,SÃO DA DIRETORIA E ABRIRAM UMA DISSIDÊNCIA, isso é MUITO SÉRIO e assim deve ser tratado.Não pode ser, nem de longe, uma DISPUTA PELO PODER. NÃO, NÃO e NÃO!!! Mais uma vez vamos mostrar ao PATRÃO O QTO SOMOS DESUNIDOS? Qq aula de HISTÓRIA(essa é minha área), por mais elementar que seja,nos ensina que a DESUNIÃO É A VITÓRIA DO OPONENTE. Existem problemas? Não sei. Só estou conhecendo esse lado. Concordo com as necessidades da categoria aqui expostas? Sim,mas insisto que uma ampla exposição dos fatos. Quem NÃO ESTÁ DENTRO DO SINDICATO, ESTÁ POR FORA DESSA QUESTÃO. Temos que sair dessa crise FORTALECIDOS, NÃO DIVIDIDOS. Somos EDUCADORES, INTELIGENTES E CIVILIZADOS. Que venha a discussão.
    Prfª Marisa Sá.

    ResponderExcluir
  11. ALGUÉM PODE ME EXPLICAR COMO O FRANCILIO ASSINA O MANIFESTO SE O VANDERLEI É INDICAÇÃO DELE?

    ResponderExcluir
  12. Acredito que lutar por salário mais digno, reconhecimento e respeito seja muito importante. Porém nós professores deveriamos também rever nossa prática de ensino, nossa ética, nosso compromisso, e o sindicato deveria também rever as exigências feitas no momento em que um professor é demitido e está de acordo com o que o estabelecimento quer pagar porém o sindicato "empata" exigindo condições que nem o professor faz questão. Esse tipo de postura é que tira toda a credibilidade do sindicato....

    ResponderExcluir
  13. O Francilio e o continuismo em nossa catergoria, ninguem acredita mais no que ele participa, será que ele não percebe que desse jeito não dá para acreiditar nesse pelego.....

    ResponderExcluir
  14. Eu, como professora sindicalizada, gostaria de saber mais sobre o que vem ocorrendo em nosso sindicato, em ambas as partes. Dissidência é uma coisa muito séria e deve ser tratada como tal e com postura madura. A atual diretoria não tem poderes junto ao diretor para conversar e chegar a um acordo bom para todos? Afinal vcs são muitos e ele é um apenas.Além disso, diretores estão em seus cargos tb para encontrar soluções para problemas sérios como esse, não acham?
    Nosso sindicato é forte e não pode, nesse momento, mostrar a fraqueza da desunião.
    Vou encaminhar o Manifesto para outros colegas.
    O SIMPRO tem que permanecer forte.
    Abr.

    ResponderExcluir
  15. Prezados amigos,

    Sou um PROFESSOR sindicalizado desde 1991, e realmente me decepcionei com o SINPRO-RIO. Não imaginei que a luta contra as ilegalidades das IES com relação aos salários dos professores, fosse dar em nada.

    Os professores ficaram desprotegidos e juridicamente teria remédio contra isso.

    Entendo que existem pessoas que lutam em favor da democracia, de peito aberto, sempre na linha de frente, mas determinadas pessoas de forma discriminada e preconceituosa negou a ajuda deste PROFESSOR que criou um BLOG a fim de tentar unir os PROFESSORES. Em uma determinada época consegui juntar em duas ASSEMBLÉIAS mais de 150 professores. Mas, depois o SINPRO ficava calado e não continuava a luta que parecia existir nas ASSEMBLÉIAS. Isto tem que ser incansável. Se parar, o desânimo aparece.Desta forma os PROFESSORES ficavam perguntando qual o próximo passo, mas tudo parava ...

    FIZ O QUE PUDE PARA PROPAGAR, PODEM ATÉ VER NA MINHA ÚLTIMA POSTAGEM ALGUNS EXEMPLOS.O BLOG é visitado por mais de 74 Estados do Brasil,inclusive por vários países.

    Um diretor do SINPRO dizia sempre que não considerava o BLOG e nada que fosse mencionado nele, como se o PROFESSOR BRASILEIRO fosse alguém que estava medindo forças com o Sindicato.O PROFESSO BRASILEIRO queria UNIÃO, CUMPLICIDADE. Olhavam com desprezo e desconsideração; tudo o que era falado em reuniões rebatiam; não houve nenhuma chance e oportunidade para que fosse tentando, sequer, alguma coisa que o PROFESSOR BRASILEIRO colocava. O jurídico também deveria ser mais agressivo, no bom sentido, que somente cumpre a sua missão de ajuizar as ações para os professores e realmente são excelentes,mas esta briga de "cachorro grande"... nada.


    CONTINUA NO PRÓXIMO TEXTO ABAIXO:

    ResponderExcluir
  16. CONTINUAÇÃO DO TEXTO ACIMA:

    Senhores,

    Lutar contra o PODERIO ECONÔMICO necessita de se criar estratégias como "A ARTE NA GUERRA", aplicando formas de COMBATE CORAJOSAS,E NÃO DA MANEIRA COM QUE FOI FEITO. Somente panfletos e avisos não adiantam nada.Eventos, Palestras, etc. são necessárias,mas não é só isso.

    O SINDICATO TEM UMA FORÇA DESCOMUNAL, MAS NÃO A USOU DEVIDAMENTE. Os confrontos orais, as idas nos estabelecimentos, a mídia mais ativa, a coragem de entrar nas salas dos professores sempre de forma ética, a postura de firmeza, isso eu não vi. Pareciam estar em cima do muro. Era isso que eu sentia.

    Eu fui demitido em dezembro de 2009 da UNIVERCIDADE - CENTRO UNIVERSITÁRIO DA CIDADE por mostrar a minha cara nas ASSEMBLÉIAS, nas AUDIÊNCIAS PÚBLICAS, perante os professores nas salas dos professores juntamente com outros.

    Contudo continuo com o BLOG como um INSTRUMENTO DE PROTESTO.

    Tenho uma AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO c/c com INDENIZAÇÃO, mas já estou arrependido com relação a reintegração. Ali não se encontra UNIÃO e nem SOLIDARIEDADE entre os PROFESSORES,pois estão acuados, assediados.O que está fazendo o SINPRO-RIO sobre isso?

    Os professores perderam a credibilidade nos SINDICATOS. Aviso isto aos senhores. O SINPRO-RIO tem que mudar a forma de enfrentamento com esses EMPRESÁRIOS que dirigem as universidades em geral, pois tenho diversos emails enviados pelo Sr. Ronald Levinsohn e da Sra. Priscilla Levinsohn, por que me escreve muito, que demonstra que eles estão tranqüilos,e culpando o governo por deixar de pagar determinadas importância à INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA...

    Dizem que minha presença os desagrada,mas existe um tratamento cordial.

    É necessário que o SINPRO-RIO restabeleça a credibilidade com os PROFESSORES que é o motivo da existência da ENTIDADE.DEVE SE FAZER UM TRABALHO DE BASE E ÁRDUO, PARA DEMONSTRAR A FORÇA QUE O SINPRO-RIO TEM PERANTE TODAS ESSAS FALCATRUAS DOS DIRIGENTES DAS IES QUE AJEM COMO FOSSEM OS DONOS DO MUNDO.

    E a CÂNDIDO MENDES - CENTRO? VEJAM A ÚLTIMA MATÉRIA DO BLOG. TEM COLEGAS PEDINDO AJUDA.Eles se sentem sem pai e sem mãe. Mas... o que posso eu fazer? Somente tornar PÚBLICO E NOTÓRIO ESSAS ILEGALIDADES.

    Lembremos de que existe uma AÇÃO CIVIL PÚBLICA do MP com relação à UNIVER CIDADE, que deveria ser agilizada. Será que eles a esqueceram? Se houvesse a ida constante do jurídico certamente estaria mais adiantada. O Sr. Ronald é bilionário ou tri ... e se não tem bens suficientes na INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA existem meios legais para atingir seus bens pessoais. Mas, necessita de audácia e ousadia para isso.

    Eu sempre procurei enaltecer o SINPRO por que é o único que pode fazer alguma coisa por nós. Claro que houve um momento em que fiquei muito aborrecido, e foi dito isto no BLOG, mas depois continuei a dar força , apesar dos professores não terem gostado, dizendo que o SINPRO está desacreditado.

    Aqui vai o meu desabafo e se eu puder fazer algo para ajudar, avisem-me.

    Blog: www.professorbrasileiro.blogspot.com

    Saudações,

    Professor Brasileiro

    ResponderExcluir
  17. Se vocês que são do sindicato não caminham juntos, com quem iremos contar?

    professora desanimada.

    ResponderExcluir
  18. Não gostei como o grupo dissidente se apresenta para professores sindicalizados. Parece uma briga pelo poder. De fato uma mesma diretoria deveria encontrar uma maneira ética de resolver as questões internas e o que se refere a luta dos professores por dignidade e reconhecimento. Não é "queimando" o Wanderlei que irão conseguir a adesão da categoria. Mostrem propostas concretas e acusem com provas. Não gostaria que me enviassem mais emails. Penso que o Sinpro Rio cresceu bastante com o atual presidente. Que briga mesquinha! Até que me provem o contrário!

    ResponderExcluir
  19. tudo farinha do mesmo saco!

    Niguem diz sob os rombos orçamentários que havia e que ainda hoje há no sindicato!

    Francílio sempre usou da maquina do sindicato para autopromoção. Já o seu pupilo,wanderley Quedo, esta indo pelo mesmo caminho, melhor, aprendeu tão bem o jogo sujo que hoje quer dar uma rasteira no seu "mestre"!

    ResponderExcluir
  20. Triste saber que nossa luta se transformou em disputa. Isso é medição de forças. O sindicato é nosso! Que venham explicações da diretoria, da presidência. Não podemos ler/ouvir apenas uma parte. São necessárias explicações Como disse César: "À mulher de César não basta ser honesta: é preciso parecer ser honesta."

    ResponderExcluir
  21. Nossos representantes brigando pelo poder...e alguns de nós, professores das instituições particulares, até agora não vimos nosso salário de dezembro....que luta!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  22. É hora de cobrarmos dos que colocaram esse presidente da categoria no Sindicaro....Onde eles estão agora????

    ResponderExcluir
  23. Quando começamos a viver em um país democrático tive esperanças que os novos governantes, que sempre pregaram a honestidade e lutaram contra a opressão,transformariam nosso país...pura ilusão !!!! são todos iguais e a famosa esperança não aconteceu...quem viveu os movimentos de luta sabe muito bem como funcionam as estratégias de perpetuação no poder...no final se percebe que o ser humano cada vez mais deixa de ser humano!!!!!

    ResponderExcluir
  24. Que briga mesquinha,,,Os professores da UniverCidade estao sem salario de dezembro,ferias,decimo terceiro de 2007,sem fgts,sem inss e o sindicvato foi completamente omisso,fazendo acordos cvom Paulo Alonso e Cantieri.Precisamos de um sdindicato unido.

    ResponderExcluir
  25. Ah que saudade do Pierre!!!

    ResponderExcluir
  26. Parece que agora foi desvendado o jogo pelo poder dentro do Sinpro. A antiga Diretoria parece não ter ficado satisfeita com as atitudes do seu indicado (Wanderlei). Talvez pensassem que poderiam manipular o atual presidente segundo os seus interesses. É necessártia a renovação, mas não com essas cartas desgastadas de Diretorias anteriores. Este grupo que ora critica a atual gestão, também, já foi alvo de críticas de seus próprios parceiros. Chega de hipocrisia.

    ResponderExcluir
  27. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  28. Muito triste o que está acontecendo com o SINPRO. Sem dúvida, é a categoria a principal prejudicada.
    Mas gostaria de ressaltar que o que vem esfriando o movimento da rede particular não pode ser atribuído somente à atuação de tal ou qual membro da diretoria.
    Não podemos esquecer que não foi o Wanderlei que inaugurou a arrogância e o autoritarismo na diretoria do SINPRO. A estrutura verticalizada e centralizada, a negação de qualquer tipo de proporcionalidade na composição da diretoria são pontos que também deveriam ser considerados.
    Além disso, a demora em reconhecer a importância da filiação à CUT( quando a CUT ainda representava o consenso no conjunto dos trabalhadores identificados com a construção de uma sociedade mais justa e igualitária e democrática ) e a dificuldade de dialogar com a oposição, que sempre ajudou a construir o sindicato na base também contribuíram para o afastamento de muitas lideranças históricas que, nesse e em outros momentos, poderiam estar somando forças para o fortalecimento da luta contra nossos maiores adversários.
    Considero, portanto, que a crise atual é fruto da postura de sucessivas diretorias, inclusive de diretores que nesse momento assinam o manifesto, sem qualquer autocrítica.
    Mesmo estando afastado da rede particular há pouco mais de um ano, tenho interesse de, na medida do possível, acompanhar as discussões que levem à formação de um sindicato forte, combativo, classista e pela base.
    bismarckmendes@gmail.com

    ResponderExcluir
  29. Vocês estão contra aqueles que estão expulsando do sindicato quem se aproveitou del por mais de 30 anos? Me desculpem mas esse grupo da diretoria merece parabéns. Está fazendo o que ninguém conseguiu.

    ResponderExcluir
  30. Vocês são uma oposição irresponsável pois expõem para os patrões possíveis fragilidades de nosso sindicato. Isso me leva a desconfiar que vcs estão muito interessados em ganhar a eleição e para isso arriscam conquistas da categoria para desmoralizar a maioria da direção. Parece que os prejuízos que causaram a determinados diretores foram muito graves. Apoio essa direção.

    ResponderExcluir
  31. Pela primeira vez, vejo o Sinpro atuando politicamente. A campanha nos out doors defendendo condições de trabalho é extremamente importante. Francílio, que está com vcs, foi presidente e nunca fez isso.

    ResponderExcluir
  32. Saiam do sinpro e levem o Francílio junto

    ResponderExcluir
  33. Vocês são aproveitadores. Essa diretoria é a melhor do sinpro nos últimos anos. Fora Francílio

    ResponderExcluir
  34. Apoio o movimento "FORA FRANCÍLIO"

    ResponderExcluir
  35. A maioria dos .....Anonimos:
    Mostrem a cara! Façam como os companheiros do Articulando e outros professores que , favoraveis ou não, a esse momento do SINPRO, qualificam o debate.Desconfio que membros da atual Diretoria, postando anonimamente, enveredam por um caminho covarde de "esconde-esconde", famoso entre crianças.Porém não são crianças : são educadores e dirigentes sindicais !

    ResponderExcluir
  36. A vida constantemente nos cobra participação. Quem omite as barbaridades que presencia, acaba prestando serviço à Força das Trevas. Existem momentos que evitamos o combate, sob as mais diversas justificativas: serenidade, maturidade, senso de ridículo...

    Vemos a injustiça sendo feita ao nosso próximo e ficamos calados. "Não vou me meter em brigas", é a explicação mais usual. Isso não é producente. Quem percorre um caminho político, carrega consigo um código de honra a ser cumprido. A voz que clama contra o que está errado é ouvida por quem está alerta.

    ResponderExcluir
  37. É isso aí companheiros, COVARDIA E POLÍTICA SE FUNDINDO.
    A estratégia construtiva sempre será respeitada dentro da política, mas para essa postura é necessário caráter e seriedade, o que os atuais "dirigentes" definitivamente não tem. De forma autoritária e arbitrária, a banda podre está contaminando a entidade. Os “anônimos”, tentam denegrir a imagem do Francílio como se nós da categoria não fossemos capazes de identificar de que grupo está partindo as insinuações inúteis... É muito triste ver o nosso Sindicato, que já foi tão sólido e respeitado, desabando por desmandos e competições de vaidade. A vergonha e indignação impera na categoria! Assim como eu, todos lá são (ou deveriam ser) trabalhadores lutando por ideais, por melhores condições de trabalho e salário, no entanto nos deparamos com um grupo enlouquecido e irresponsável exalando a falta de comprometimento com a categoria, além de promover um verdadeiro massacre aos funcionários da própria entidade. Vamos lá pessoal, resgatem a essência de um sindicato de trabalhadores e permitam que alguém mais qualificado e competente, renove o comando do SINPRO-RIO e lute por nossa categoria com dignidade, sem perder de vista o respeito aos próprios trabalhadores que movem a máquina em prol da nossa classe.

    ResponderExcluir
  38. Entendo quem posta como anônimo pois não quer se envolver em acusações que desconhece. Eu me identifico pois considero essa diretoria uma das melhores que tivemos. Digo isso apesar de não ter votado nela, pois para mim, nosso sindicato sempre foi acomodado e ineficiente. Para mim, isso foi marca do antigo presidente. Fiquei surpresa em ver que entre os descontentes, estava o Francílio. Foi por isso, que li atentamente as reformas para entender o motivo do racha. Medidas administrativas comuns. Quem perdeu e quem ganhou? Me expliquem vcs da oposição pois não entendi o motivo da revolta.

    ResponderExcluir
  39. Disputa por poder ou guerra de quem manda mais? O resultado vai continuar sendo a lama que o sindicato atravessa. O peso disso atinge a categoria e os trabalhadores que lá estão.
    A estrutura está muito bonita, porém quem conhece um pouco do mecanismo sabe que é como o velho ditado: POR FORA BELA VIOLA, POR DENTRO PÃO BOLORENTO.

    ResponderExcluir
  40. Esse manifesto é ousado e objetivo. Nas eleições, espero comemorar a vitória de vocês e o afastamento dos incompetentes que estão brincando de fazer política. A categoria precisa do amparo de diretores como vocês, que não tem medo do embate político justo, com defesa dos interesses coletivos e não dos interesses próprios.

    ResponderExcluir
  41. Vamos travar o bom combate. Deepak Chopra escreveu em um de seus livros: "Na tua mente há espaço para apenas um pensamento de cada vez. Cuida, então, que seja um pensamento positivo."

    ResponderExcluir
  42. Quando existe um projeto político definido e que salienta, a partir da sua cotidiana dinâmica de lutas, a necessidade da transparência, da ética e do companheirismo para o conjunto da categoria de professores, não há pq se eximir de identidade e assim “mostrar nome, rosto e trajetória “ para nossa base.
    Porém, ao percebemos que a atual Diretoria do SINPRO defende um projeto pessoal, de favorecimento a grupos e a diretores, o anonimato garante a escusação.A forja de pretensos lideres , ainda mais com viés autoritário, carece de revelação e sustentação identitária.Para eles, o apoio da base devem ser amorfos e acríticos.
    Mas a base esta atenta a tudo isso. A trajetória profissional e política de Wanderley Quedo, referência para tantos colegas que, no final dos anos 1980, inicio dos anos 1990, conheceram sua trajetória, descolou-se da prática coletiva e democrática para práticas inadmissíveis com a história do nosso sindicato.
    Portanto, o movimento que cria o Articulando Educadores surge da sensibilidade e da urgência para a mobilização que valorosos diretores perceberam ao questionar a atual Direção do nosso Sindicato.
    Por isso temos legitimidade. E a sensibilidade desses diretores só avançará ainda mais na luta ao considerar e mobilizar os professores para o resgate da prática de que o sindicato é base, é democrático e não com o poder concentrado numa esfera pelega, avessa ao conato com a sala de aula e por isso tudo praticamente linha auxiliar e confiável aos interesses patronais.
    Vamos a luta sem medo e sem Quedo

    ResponderExcluir
  43. Valeu camarada!
    À luta, sem medo do Quedo

    ResponderExcluir
  44. Vocês não sabem de nada. Francilio é a vergonha do sindicato. Ele colocou muito dinheiro no bolso que pertence ao sinpro. COMO EXPLICAR AQUELA OBRA EM CAMPO GRANDE. ONDE ESTÁ O GASTO REAL DA OBRA.
    O atual Presidente está fazenda a limpa. Alguma coisa ele descobriu, e não está querendo participar dessa sujeira.

    ResponderExcluir
  45. Podemos não saber e por isso queremos saber.Vc sabe? Não se esconda:revele.É fundamental para o prática democratica que queremos revitalizada no SINPRO
    Se esconder é pincipio de covardia: covarde não muda da noite para o dia ,é desvio pessoal , de conduta , problema interno . Mas afirmar que o Quedo descobriu algo(??) e não quer participar de sujeira(!) é irresponsabilidade .E isso não é problema pessoal do Prezado Anonimo tampouco do Presidente do SINPRO .O problema é nosso, é da categoria.

    ResponderExcluir
  46. Caro Joaquim, não sei quem vc é e de onde vem seus comentários, mas quero dizer que sou diretor do sinpro na segunda gestão, sendo minha primeira vez como membro da executiva e lhe afirmo que não entendo as críticas aqui postadas pois as medidas que tomamos somente tiveram a intenção de equilibrar a despesa crescente com a receita. E isso está sendo feito. E o que é melhor, sem comprometer os investimentos nas lutas da categoria. Por isso, me espanto com esse blog e a presença de alguns companheiros que sei que sabem que estamos fazendo o melhor para o sindicato. Continuo perplexo diante desse falso racha político.

    ResponderExcluir
  47. Prezado Afonso:
    Quem sou eu? Sou mais um sindicalizado ao SINPRO que, cotidianamente, ouve na base a voz da revolta de tantos professores que se surpreendem com a má gestão da atual Direção do SINPRO-RJ. Diria que minha fisionomia é parecida com a de muitos professores e que tem o traço marcante da indignação nos seus rostos. Um rosto igual a tantos que, no entanto que sabe quem vc é. Afinal, como diretor sindical tua exposição publica é inevitável .Enfim, rostos e mais rostos que, aos poucos, formaram o Articulando Educadores.
    Não centro minhas criticas numa pessoa, apesar de considerar o autoritarismo do atual presidente do SINPRO-RJ.A critica que faço é pelo descompasso entre projetos da campanha 2008, trajetórias políticas e a atual gestão. Por isso, como explicar as demissões de funcionários? Como explicar a antecipação da pauta da Campanha Salarial de 2001. É o melhor que podem fazer? E como explicar o equilíbrio das despesas com a receita demitindo pessoas, trabalhadores que, durante tantos anos, serviram administrativamente aos professores? E o esvaziamento das sedes regionais?
    Quanto ao falso “racha”, de que mundo vc veio? Ele é verdadeiro, ele existe. Quando um “racha” acontece nem sempre é por irresponsabilidade de um grupamento político que, por diletantismo ou projetos pessoais, quebra a unidade sindical. O racha acontece quando a Direção fica alheia a base . Cabe aos dirigentes sindicais responsáveis e os militantes ,afinar o discurso pela voz da unidade e “rachar” para depois recompor com ações políticas responsáveis e efetivas em prol da unidade.

    ResponderExcluir
  48. Companheiro de diretoria Afonso Celso, reflita sobre esse trecho do texto de Rodrigo Lacerda, num exercício de ficção sobre Carlos Lacerda, publicado na - Ilustríssima - Folha de SP, dia 20/02/2011.

    "A política, ela própria, é tudo, menos constante. Adquire novas formas e novos sentidos a todo momento, e nos confronta com dilemas que nunca imaginamos existir, que dirá ter de enfrentar. Ela é pitoresca e cheia de intrigas, cômica, irônica e incompreensível, cruel e bizarra, humilhante, patética e surreal, injusta, dolorosa e deprimente, generosa, exigente e capaz de grandes realizações, irritante, ilusória e escapista."

    ResponderExcluir
  49. Caro companheiro Joaquim,

    Caso tenha alguma dúvida com relação a algumas atitudes da atual diretoria, sugiro que o senhor compareça ao sinpro e peça para conversar com o atual presidente. Tenho certeza que o senhor irá tirar todas as dúvidas e o que não dar é para ficar fazenda qualquer tipo de questionamentos por um blog, onde qq um pode escrever o que bem entender.

    ResponderExcluir
  50. Esse é o exemplo que damos à sociedade, senhores dissidentes ? "Roupa suja se lava em casa" !

    ResponderExcluir
  51. Prezado "sei-lá-quem-é-" Anonimo:
    Comparecer ao SINPRO para conversar com o Presidente? Tirar duvidas? Declino do convite.É muita pompa e a voz da base soa melhor aos meus ouvidos: é mais esclarecedora e mais sincera.

    ResponderExcluir
  52. Caro professor Joaquim,

    Nem tudo que ouvimos pode ser verdade. Vamos lá. Porque somente esses diretores estão contra a atual diretoria é muito estranho. é só porque o atual Presidente é muito autoritário, fez diversas mudanças e inclusive demitindo funcionário ou melhor esse que foram demitidos eram pessoas corretas para ficar no sindicato.Procure o sinpro e faça prevalecer o seu direito d saber o que realmente está acontecendo

    ResponderExcluir
  53. Mas se o presidente do Sindicato, professor Wanderley Quêdo, não conversa nem com os diretores, como vai conversar e se explicar com um professor sindicalizado???

    ResponderExcluir
  54. Senhores,

    O sindicato pertence a classe não aos seus dirigentes. é só cobrar, comparecer, exigir.A CASA É NOSSA.

    ResponderExcluir
  55. É de causar espanto e indignação que um grupo minoritário dentro de um sindicato de classe use de recursos
    inexpressivos e não convincentes, com objetivos que visam interesses particulares e jogo de poder, para desarticular um sindicato que não é de um pequeno grupo, e sim de uma categoria que acredita na sua capacidade de representação.Se a briga não fosse pelo poder, este grupo dissidente deveria brigar sim, para que as situações adversas que ora se configuram fossem colocadas na pauta das reuniões, não para servirem de cabo de força do poder, e sim para buscarem os esclarecimentos necessários e um consenso de participação dentro de um sindicato, como a única saída digna de um grupo que foi eleito por uma categoria e que, por isso, deveria respeitá-la.Não queremos briga de poder, não queremos tiranos e traidores - o jogo tem que ser aberto. Façamos rolar os dados .Não é dessa forma que a categoria será convencida. O sindicato é nosso.Da forma como estou vendo, não encontro coerência no nome deste grupo dissidente - melhor seria "Desarticulando educadores" . E se me valer de um discurso às avessas, eu diria que seria até mais ético. Mas, e a ética?!! Alguém sabe aonde foi???

    ResponderExcluir
  56. Ariéte, já dizia Graciliano Ramos: "A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso. A palavra foi feita para dizer." Nós do Articulando Educadores não fomos eleitos pela categoria para bajular o Presidente do Sindicato. Nosso papel é representar os professores. Como você pode comprovar, muitos estão insatisfeitos com a condução do Sinpro-Rio. Não faz parte do nosso perfil ficarmos calados diante de tantas arbitrariedades.

    ResponderExcluir
  57. Caro Joaquim,

    O senhor compareceu a assembleia?Fiquei sabendo de muita coisa neste sábado. O senhor que defende tanto a oposição movida pelo Francilio. Gostaria de informar que nós professores ou a maioria está morrendo de fome, trabalha o dia inteiro para ganhar um miséria. Sabe quanto o seu Francilio ganha???EM TORNO DE R$ 8.000,00 A 15.000,00 pelo sinpro. O SENHOR GANHA ISSO???

    ResponderExcluir
  58. Prezado Anônimo:
    Compareci a assembléia sim! Poderia até me descrever em termos físicos e indumentários, mas como a transparência não faz seu estilo, isso passa a ser secundário E como voce não se identifica, posso supor que é um diretor do SINPRO . Fica mais fácil para procurar meu nome na lista de presença. Adianto, contudo, que sou mais um professor da base do Articulando Educadores que participou da assembléia do ultimo sábado. Mostramos a categoria a força que o grupo tem e que ele não gira apenas em torno do descontentamento e da vontade de 11 diretores. Só isso já é motivo suficiente para marcar nossa posição política como refratária a qualquer sinal de personalismo. E não é isso que percebo nas relações entre a categoria e o atual Presidente.
    Talvez, prezado anônimo, vc não saiba o que é o sindicalismo na base. Se for diretor então, é um pecado mortal. E por isso não conhece os rostos, as vozes da base. Mas saiba que nossos rostos tem a feição da indignação e nossas vozes o tom da mudança. .
    Quanto ao Francilio receber salário x ou y , não me interessa sinceramente. P q vc não o procura? Interpele-o nas próximas assembléias, visite-o no SINPRO. Deixa de ser covarde!
    Quanto ao o que eu ganho, não te interessa.Mas digo que ganho o suficiente para ser digno , coerente e fazer política com prazer e com ética .Sou e gosto de ser professor há duas décadas e meia. Não sei se vc é. Mas se vc não gosta, acho que da tempo de fazer outra coisa na vida.. Mas para isso, se identifique principalmente perante a vc mesmo.

    ResponderExcluir
  59. Caro Joaquim,

    Não preciso aparecer e tão pouco ficar defendendo um diretor. Sou aposentado em ganho 20 salários minimos para ver alguns mortos de fome se matando pelo poder do sinpro.NÃO FAÇO PARTE DESSA SUJEIRA.

    ResponderExcluir
  60. Joaquim Ferreira,

    Muito coerente suas palavras, estou convicto de que muitos companheiros sentirão mais vontade de entender e participar dessa luta sem medo e sem Quedo.

    ResponderExcluir
  61. Boa Tarde a todos os educadores.

    Expresso aqui a minha indignação que deveria ser a de todos. Independente da posição a ser assumida, se é do lado da atual diretoria ou do lado da diretoria anterior que ainda enraíza as atuais bases sindicais, deve ser visto o seguinte “FATO”: A parte da diretoria que hoje esta realizando um racha, sempre esteve no poder no nosso sindicato. Todos os diretores que estão expondo suas opiniões contrárias à atual diretoria estiveram no poder sindical pelos últimos 12 anos. Sabendo disso, como se pode criar um julgamento da atual diretoria, essa sim a de direito, se essa diretoria não completou sequer um mandato. Os professores deveriam participar mais dos encontros no sindicato e parar de servir como massa de manobra em um curral de interesses escusos. A atual diretoria esta fazendo uma verdadeira limpa no sindicato e por isso esta se expondo mais, pois a atual diretoria só cabe a verdade e a transparência. Caso o professor ainda tenha dúvida com relação a isso, basta comparecer a sede e ver com os próprios olhos. Me admira muito um professor criar conclusões precipitadas a partir de um blog, sem nem mesmo ir verificar a veracidade. O sindicato sempre esteve aberto a todos, todos aqueles que querem é claro. Gostaria de explicações do grupo de professores que estão realizando esse racha. Como pode em menos de três anos várias firmas que prestavam serviço ao sindicato serem trocadas, visto que as anteriores que lá estavam nos últimos 12 anos não cumpriam as normas do contrato. Essa firma teve algum favoritismo por parte do antigo presidente que sabia de todas as falhas e nunca nada fez? Como pode o antigo presidente, que era o único ater uma sala particular dentro do sindicato e de ser sempre inacessíveis aos demais professores, reclamar de atitudes antidemocráticas?
    A verdade é que a atual diretoria esta acabando com a farra do boi no sindicato. Abre o olho professorada e vamos acordar pros fatos. O atual presidente esta limpando esse resquício de ditadura dentro do sindicato dos professores e implementando a real democracia sindical, transparente e livre, como deve ser todo sindicato.

    ResponderExcluir
  62. Ao anônimo representante do "( des )articulando educadores" que me respondeu eu lhe informo que concordo com a afirmativa de Graciliano com relação à palavra - ela foi feita para dizer. Eu disse. Usei as minhas palavras para demonstrar o meu descontentamento com essa situação que o sindicato enfrenta, tendo a autoria de um grupo minoritário ( volto a afirmar ). Lucaks também ressaltou que a palavra ( o discurso ) deve ser plenamente coerente com a prática,é ele que deve alimentar a prática na sua totalidade. Pois bem, vocês dizem que representam uma categoria( discurso ). E a prática, as ações como sindicalistas? Estão sendo coerentes?? Meu caro representante, realmente não é necessário bajular o presidente, afinal "somos todos iguais, mas todos diferentes,e é isso que nos torna contentes" mas considero fundamental que - mesmo na adversidade - possamos estabelecer um consenso que possa favorecer um grupo maioritário( os professores sindicalizados ).Mas, como o próprio Graciliano escreveu: " Poder é Poder".( Grande Graciliano)!

    ResponderExcluir
  63. Profª Aline Edineia (Rurópolis- PA)17 de março de 2011 17:55

    Este é o momento da inclusão, o que os pais muitas vezes não pensam é que verdadeiramente uma pessoa portadora de deficiencia deve sim ser preparada para viver, se todos os dias ela ficar isolada, pergunto eu:- Como isso acontecerá?
    O que torna diferente uma PPD de outra pessoa dita normal, é somente sua deficiencia, elas também são muito capazes.

    ResponderExcluir
  64. Expresso aqui, NOVAMENTE JÁ QUE NÃO TIVE RESPOSTA DA NOVA COVARDE OPOSIÇÂO, a minha indignação que deveria ser a de todos. Independente da posição a ser assumida, se é do lado da atual diretoria ou do lado da diretoria anterior que ainda enraíza as atuais bases sindicais, deve ser visto o seguinte “FATO”: A parte da diretoria que hoje esta realizando um racha, sempre esteve no poder no nosso sindicato. Todos os diretores que estão expondo suas opiniões contrárias à atual diretoria estiveram no poder sindical pelos últimos 12 anos. Sabendo disso, como se pode criar um julgamento da atual diretoria, essa sim a de direito, se essa diretoria não completou sequer um mandato. Os professores deveriam participar mais dos encontros no sindicato e parar de servir como massa de manobra em um curral de interesses escusos. A atual diretoria esta fazendo uma verdadeira limpa no sindicato e por isso esta se expondo mais, pois a atual diretoria só cabe a verdade e a transparência. Caso o professor ainda tenha dúvida com relação a isso, basta comparecer a sede e ver com os próprios olhos. Me admira muito um professor criar conclusões precipitadas a partir de um blog, sem nem mesmo ir verificar a veracidade. O sindicato sempre esteve aberto a todos, todos aqueles que querem é claro. Gostaria de explicações do grupo de professores que estão realizando esse racha. Como pode em menos de três anos várias firmas que prestavam serviço ao sindicato serem trocadas, visto que as anteriores que lá estavam nos últimos 12 anos não cumpriam as normas do contrato. Essa firma teve algum favoritismo por parte do antigo presidente que sabia de todas as falhas e nunca nada fez? Como pode o antigo presidente, que era o único ater uma sala particular dentro do sindicato e de ser sempre inacessíveis aos demais professores, reclamar de atitudes antidemocráticas?
    A verdade é que a atual diretoria esta acabando com a farra do boi no sindicato. Abre o olho professorada e vamos acordar pros fatos. O atual presidente esta limpando esse resquício de ditadura dentro do sindicato dos professores e implementando a real democracia sindical, transparente e livre, como deve ser todo sindicato.

    ResponderExcluir
  65. VOTEI NA OPOSIÇÃO NA ELEIÇÃO PASSADA E PERCEBI COMO A CHAPA VITORIOSA USOU E ABUSOU DA MÁQUINA SINDICAL. FICA CADA VEZ MAIS CLARO QUE O SINDICATO PRECISA DE UMA RENOVAÇÃO TOTAL....E NÃO A PERMANÊNCIA DOS MESMOS QUE ESTÃO NO SINDICATO HÁ DÉCADAS!

    ResponderExcluir
  66. Covarde oposição, prezado anonimo??
    Que covardia é essa que denuncia o autoritarismo do atual presidente do SINPRO-RIO? Que covardia é essa que mostra a cara,assina manifesto e publica jornal? Covarde é quem antecipa negociações salariais sem a devida comunicação à categoria, desrespeitando a unidade sindical.Quem quebrou a unidade prezado anonimo?
    Antes de escrever verique suas condições morais.Uma delas passa necessariammte pela coragem em aparecer publica e nominalmente.Fora disso, é covardia!
    E antes de desmerecer um blog, pergunte ao Mubarak o que ele acha da informação democratizada e mobilizadora.
    NA LUTA ,SEM MEDO.FORA QUEDO!

    ResponderExcluir
  67. É isso mesmo companheiros!!!
    Apoiamos esta luta pela defesa dos direitos dos professores!!!

    Diego Mendes
    SINPRO LONDRINA

    ResponderExcluir
  68. Ante a precarização dos trabalhadores em educação(categoria da sociologia contemporânea que estuda alguns aspectos das condições de trabalho)considero:
    Deveria haver uma pesquisa sobre a desvalorização de professores por professores,por exemplo, que falasse de quanto o professor que vai estudar,se qualificar é discriminado por colegas que não optam pelo mesmo caminho com a desculpa mediocre de sentirem-se ameaçados;também seria interessante saber como se abrem as vagas e postos de trabalho relativo á docência e pesquisa no ensino superior,etc...se quiserem uma coordenação de grupo de trabalho, o SINPRO pode me convidar.(comprometo-me a pagar todas as mensalidades atrasadas.)
    Saudações.
    profa.Dra.Angeli Rose
    (espero que publiquem comentário)

    ResponderExcluir
  69. Curioso,há anos venho denunciando minha situação de "veto" na docência superior, sem razão, com inúmeras ciladas sendo forjadas para manchar minha idoneidade, e nenhuma dessas instância,pelo menos as que contatei, se interessaram em me ajudar ou apoiar.
    SOU PROFESSORA E PESQUISADORA, DOUTORADA EM LETRAS, MESTRE EM EDUCAÇÃO,DESEMPREGADA HÁ 3 ANOS.(trabalhei inclusive na mesma escola com o prof Wanderley Quedo com certa proximidade).
    Saudações.

    ResponderExcluir